Região dos Queijos Especiais de Minas Gerais

Como em todos os grandes países produtores de queijos, o Brasil também tem algumas regiões que se destacam por suas condições privilegiadas para a produção de queijos de qualidade. Pequenas diferenças climáticas ou de fatores ambientais, podem interferir de maneira importante no resultado final do produto.

Dentre as regiões queijeiras do Brasil, a Região dos Queijos Especiais, também conhecida como "Circuito dos Queijos Finos", se destaca pela variedade de tipos de queijos lá produzidos.

O Circuito dos Queijos Finos é uma espécie de quadrilátero, tendo como vértices as cidades de Lavras, Cruzília, Andrelândia e Madre de Deus. Quanto mais no coração da região, mais própria é a zona para a produção. As cidades de Minduri, Carrancas, Cruzília e São Vicente de Minas se destacam um pouco mais porque foi nessas cidades que tudo começou e se desenvolveu.

Hoje, essa região é também conhecida pela qualidade do seu eco turismo, pois se trata de uma zona quase intocada, com paisagens de tirar o fôlego, rios e ribeirões limpos e cachoeiras fascinantes. Nessa microrregião, os campos se situam a mais de mil metros de altitude, os rebanhos leiteiros estão adaptados ao meio ambiente há mais de oitenta anos, as manhãs são frias e as noites são frescas, mesmo no verão.

Minduri Cruzília Cachoeiras em Carrancas Carrancas

 

Região do Queijo do Reino

O queijo do Reino foi desenvolvido inicialmente na antiga cidade de Palmyra, hoje Santos Dumont, por dois jovens queijeiros holandeses, Jong e Boeck, trazidos pelo comerciante português Carlos Pereira de Sá Fortes, em 1880, para aproveitar o excesso de leite que já se verificava após a introdução do gado holandês naquela zona. Em pouco tempo, a região toda, hoje conhecida como mesorregião dos Campos Vertentes, tornou-se a principal bacia leiteira do estado de Minas Gerais.

Os queijos produzidos em seus campos possuem uma aptidão para olhaduras naturais, devido à presença de bactérias propiônicas no pasto.

 

 

Região Serra da Canastra

A região da Serra da Canastra, no sudoeste de Minas Gerais, é mais conhecida por ser a nascente do Rio São Francisco, porém, tem atrativos de forte apelo turístico, além de ser uma das principais regiões do Brasil, berço do famoso queijo artesanal Minas Canastra. Suas paisagens são deslumbrantes.

Isolada por muitos anos, só há pouco entrou nos roteiros de viagens como lugar privilegiado para a prática de esportes radicais, vivência ambiental e turismo ecológico. A região ecoturística da Serra da Canastra tem mais de 200 mil hectares e abrange seis municípios: São Roque de Minas, Vargem Bonita, Sacramento, Delfinópolis, São João Batista da Glória e Capitólio. A maior atração é o Parque Nacional da Serra da Canastra, criado em 1972, para proteger as nascentes do rio São Francisco.

Serra da Canastra Queijo da Canastra
 

Região do Serro Frio

Localizada na Microrregião de Conceição do Mato Dentro, a cidade do Serro guarda um tesouro colonial digno de nota. A história do famoso queijo do Serro se confunde com a história da cidade. Desenvolvido pelos colonizadores portugueses que vieram da região da Serra da Estrela, o queijo foi ocupando o espaço deixado pela decadência do ciclo do ouro e tornou-se, por um tempo, o produto mais importante da cidade. Intimamente ligado à história do Brasil colonial, sendo centro de mineração e destino de muitos bandeirantes no século XVII, o Serro foi protagonista na formação histórica da região. Hoje, o queijo ainda é produzido com a mesma receita de quase três séculos, por pequenos produtores artesanais e foi o primeiro queijo do Brasil a ter o seu processo de produção reconhecido como "Patrimônio Natural do Brasil", pelo IPHAN (Instituro do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

 

 

 

 

Região da Serra do Salitre

Abrange as microrregiões de Patrocínio e Patos de Minas. Estão caracterizados como produtores do queijo Minas Artesanal do Cerrado os municípios de Patos de Minas, Lagoa Formosa, Presidente Olegário, Lagamar, São Gonçalo do Abaeté, Varjão de Minas, Carmo do Paranaíba, Arapuá, Rio Paranaíba, São Gotardo, Tiros, Matutina, Patrocínio, Guimarânia, Cruzeiro da Fortaleza, Coromandel, Serra do Salitre, Abadia dos Dourados, Campos Altos e Santa Rosa da Serra.O queijo produzido nesta região é diferente do queijo de Araxá, principalmente pela consistência da massa, que é mais macia, quase amanteigada, quando atinge um ponto maior de maturação.